O Pónei Mágico – Conto Infantil

114

Era uma vez uma menina chamada Sofia que vivia numa quinta com os seus pais. Ela adorava os animais, especialmente os cavalos, mas nunca tinha tido a oportunidade de montar um. Um dia, ela encontrou um pónei branco no celeiro, que parecia estar perdido. Ela aproximou-se dele com cuidado e acariciou-lhe o pelo macio. O pónei relinchou e olhou para ela com os seus olhos azuis.

  • Olá, como te chamas? – perguntou Sofia.
  • O meu nome é Luna – respondeu o pónei, para espanto de Sofia.
  • Tu falas? – exclamou Sofia.
  • Sim, eu sou um pónei mágico – disse Luna. – Eu vim de um reino encantado, mas perdi-me no caminho. Podes ajudar-me a voltar para casa?
  • Claro que sim, eu adoro aventuras – disse Sofia. – Mas como vamos fazer isso?
  • Eu tenho um mapa que mostra o caminho, mas preciso de alguém que me acompanhe – explicou Luna. – Queres vir comigo?
  • Sim, sim, sim – disse Sofia, entusiasmada. – Mas temos que ser rápidos, antes que os meus pais nos vejam.
  • Não te preocupes, eu posso voar – disse Luna, abrindo as suas asas brancas.
  • Tu tens asas? – admirou-se Sofia.
  • Sim, eu sou um pónei mágico – repetiu Luna, sorrindo. – Agora, sobe para as minhas costas e vamos embora.

Sofia montou no pónei e segurou-se na sua crina. Luna levantou voo e saiu do celeiro, rumo ao céu. Sofia sentiu o vento no seu rosto e o sol no seu cabelo. Ela olhou para baixo e viu a sua quinta a ficar cada vez mais pequena. Ela sorriu e abraçou Luna.

  • Obrigada por me levares contigo – disse Sofia.
  • Não tens que agradecer, tu és a minha nova amiga – disse Luna.

E assim começou a viagem de Sofia e Luna, em busca do reino encantado. Pelo caminho, elas viram muitas coisas maravilhosas, como nuvens coloridas, arco-íris brilhantes, estrelas cadentes e pássaros cantores. Elas também enfrentaram alguns perigos, como tempestades, dragões, bruxas e piratas. Mas elas conseguiram superar todos os obstáculos, com a ajuda da sua coragem, inteligência e amizade.

Finalmente, elas chegaram ao reino encantado, que era um lugar lindo e mágico, cheio de flores, árvores, fontes, castelos e outros póneis mágicos. Luna levou Sofia até ao palácio, onde vivia a rainha dos póneis, que era a sua mãe. A rainha ficou muito feliz por ver a sua filha e agradeceu a Sofia por a ter ajudado. Ela ofereceu-lhe um colar de pérolas e convidou-a para ficar no reino encantado.

  • Gostavas de ficar aqui comigo e com a Luna? – perguntou a rainha.
  • Eu adorava, mas eu tenho que voltar para a minha casa – disse Sofia. – Eu tenho saudades dos meus pais e dos meus amigos.
  • Eu compreendo – disse a rainha. – Mas podes voltar sempre que quiseres, basta chamares pela Luna.
  • Eu prometo que vou voltar – disse Sofia. – E tu, Luna, também podes visitar-me na minha quinta.
  • Eu também prometo – disse Luna. – Tu és a minha melhor amiga.

Sofia e Luna abraçaram-se e despediram-se. Sofia montou no pónei e voou de volta para a sua quinta, levando o colar de pérolas e o mapa do reino encantado. Ela chegou ao celeiro e desceu das costas de Luna. Ela agradeceu-lhe mais uma vez e disse-lhe adeus. Luna voou para o céu e desapareceu no horizonte.

Sofia entrou em casa e encontrou os seus pais, que estavam preocupados com a sua demora. Ela contou-lhes tudo o que tinha acontecido e mostrou-lhes o colar de pérolas e o mapa do reino encantado. Eles ficaram espantados e orgulhosos da sua filha. Eles abraçaram-na e beijaram-na. Sofia sentiu-se feliz e realizada. Ela sabia que tinha vivido uma aventura incrível e que tinha feito uma amizade eterna. Ela olhou para o céu e sorriu, pensando na Luna.

Fim.

loading...

você pode gostar também